Lílian Maial

Basta existir para ser completo - Fernando Pessoa

Meu Diário
11/07/2009 15h04
AINDA ONTEM ERA TUDO DIFERENTEMENTE IGUAL

®Lílian Maial
 

 
Ainda ontem, eu podia andar de bicicleta sem medo de assaltos, sem dores nos joelhos, sem que houvesse tantas marchas. Era uma Monark linda, aro 28 (naquele tempo não era aro 26, mas 28) e eu, aos 10 anos, me sentia com 30, dona do mundo sobre as duas rodas imensas!
Hoje, com um pouco mais de 30 (rsrsrsrs), me sinto com 10, porém não tenho mais a velha bicicleta e nem os joelhos (que também são velhos).

Ainda ontem, eu tinha vergonha de ser tirada para dançar nas festinhas e, ao mesmo tempo, morria de medo de ficar na cadeira a noite toda. Tremia por inteiro ao sentir a mais leve proximidade do meu corpo com o de um menino.
Hoje, sou mãe de 2 meninos (e uma menina), e me tremo toda quando penso que eles já levam as meninas lá em casa. Sei que, mais dia, menos dia, vou dançar...

Ainda ontem, eu estudava diuturnamente, sonhava com a faculdade, com os pacientes, com a cura do câncer.
Hoje, ainda tenho que estudar todo dia, e ser eu a paciente (com tudo e com todos), e ando às voltas com a cura dessas dores cervicais que não me largam.

Ainda ontem, eu era filha, obedecia regras (nem todas, mas só eu e você – leitor – sabemos), admirava meus pais, não compreendia o mundo sem minha irmã, ansiava pelo futuro.
Hoje, sou mãe, ainda tenho regras todo mês (até quando eu não sei), invejo meus pais, sinto saudade da minha irmã, e receio o futuro sem eles (inclusive as regras).

Ainda ontem, eu encontrei o amor eterno, me surpreendi com sua intensidade e inesgotabilidade, construí um sonho e vivi nele, multipliquei esse sentimento esquisito que quanto mais se doa, mais se tem.
Hoje, eu entendo que está dentro de mim esse amor eterno: intenso, inesgotável, progressivo e estranho, que não pára de se multiplicar pelo mundo, pelas pessoas, pelas letras e pela vida, e descobri que o sonho que construí é a minha própria vida, com todos os percalços, tropeços e lágrimas, mas também com os saltos, os acertos, as lembranças de ouro e os sorrisos.

Ainda ontem, era tudo diferentemente igual, porque eu sou a mesma, exatamente a mesma mutante de sempre.
 
************

Publicado por Lílian Maial em 11/07/2009 às 15h04
 
27/06/2009 17h51
TODA MULHER MODERNA JÁ FOI FARRAH FAWCETT
Toda mulher moderna já foi Farrah Fawcett
®Lílian Maial

 
No mesmo dia – 25 de junho de 2009 – perdemos Michael Jackson e Farrah Fawcett.   
Michael foi ídolo de todo o mundo: homens, mulheres, crianças e velhos, teve a glória e a desdita, vividas com a mesma intensidade e popularidade.
Farrah foi ídolo mais das meninas e adolescentes do final dos anos 70 e ao longo dos anos 80. Foi símbolo de beleza, ousadia e competência, numa época em que a mulher estava começando a galgar os primeiros degraus para atingir a posição de igualdade de oportunidades com o homem.

Farrah incorporou a Jill Munroe, uma das protagonistas do seriado “As Panteras” (“Charlie’s Angels”), mulher linda, elegante, atraente e, ao mesmo tempo, independente, poderosa, astuta e fisicamente bem preparada para enfrentar qualquer homem. Era a mais famosa das três “Angels”. Ela era o símbolo do feminismo que não perdeu a feminilidade. Era o ícone da mulher que pretendia unir a beleza à inteligência e ao poder.

Não houve menina, naquele tempo, que não tivesse tentado imitar o famoso penteado de Farrah, um corte em camadas e com cada uma caprichosamente virada para fora. E não houve menino que não tivesse parado para admirar seu poster mais famoso, com um maiô vermelho e as longas mãos alisando as louras madeixas, com um sorriso estonteante.

Farrah casou-se com Lee Majors – O Homem de Seis Milhões de Dólares – em 1974, causando mais inveja e frisson entre as meninas, pois o mocinho era símbolo sexual, à época. O divórcio aconteceu no início dos anos 80.

Em 1985, ela teve um filho – Redmond - com o ator Ryan O’Neil (de Love Story), companheiro de muito tempo que, na ocasião do diagnóstico do câncer de Farrah, em 2006, voltou e cuidou dela até o fim.

Além de “As Panteras”, Farrah fez alguns papéis sérios, com algum destaque, sendo indicada para alguns prêmios Emmy e Globo de Ouro.

Enfim, é mais uma perda a se lamentar, mais um indício de que nossos ídolos da infância e adolescência estão partindo, mais um fio se solta no estranho emaranhado da teia que é a vida.

Agora, doce Pantera, onde estiver, vai descobrir, afinal, quem é o Charlie...
 
**********
 

Publicado por Lílian Maial em 27/06/2009 às 17h51
 
26/06/2009 21h26
Eu também morri um pouco com Michael Jackson
Eu também morri um pouco com Michael Jackson
®Lílian Maial
 
 
Um pouco da minha história se foi com ele. Cada época da minha vida foi embalada por algum sucesso dele, fosse ainda com o Jackson Five, ou já como o fenômeno Michael.  Mais um ídolo me deixa com essa estranha sensação de perda, de apagamento da minha própria história, lenta e gradual.

Quem, hoje, entre os 40 e 60 anos de idade, já não imitou alguns passos do “Moonwalk” (aquele em que os pés parecem caminhar para frente enquanto o corpo desliza para trás) ou do “Thriller” com sua inigualável e original coreografia? Quem já não sentiu uma forte emoção, ou dançou de rosto colado, ao ouvir “ I’ll be there” , “Got to be There” ou “Ben”?

Michael fez parte da minha infância e adolescência, e, por incrível que pareça, da infância e adolescência dos meus filhos que, até hoje, ainda ensaiam os passos do meu antigo ídolo-menino.

Não há como esquecer o brilho nos seus olhos ao entoar “Ben”, “Music & Me”, e a energia liberada nos empolgantes hits “Beat it”, “Bad”,  “Thriller”, ou, ainda, as mensagens subliminares de suas músicas, indicando os momentos pelos quais passava.

Como toda figura pública, sempre foi cercado de intrigas e controvérsias. Polêmico. Mas porque nunca deixou de ser aquele menino  que o pai (Joseph) obrigava a ensaiar horas a fio, com os quatro irmãos que compunham o “Jackson Five”, sem lhe dar a chance de vivenciar a infância, além de espancá-lo e humilhá-lo, tamanha a ambição.

Com isso, Michael fez questão de permanecer criança, incorporando a figura de Peter Pan, a ponto de dar o nome de Terra do Nunca (Neverland) à sua mansão/sítio, numa tentativa desesperada de resgate da infância roubada.

Não conseguiu. Guardava tanta mágoa e carência, que a “Neverland” e todas as crianças de quem tentou se cercar e ajudar mundo afora não conseguiram aplacar os recalques que a infância perdida e o pai tirano marcaram a ferro e fogo.

Apesar disso tudo, Michael tinha estrela, emplacou sucesso atrás de sucesso, entrou várias vezes para o “Livro dos Recordes” (Guiness Book), tanto pelos milhões de discos vendidos, quanto pela imensa fortuna amealhada, como por ser o artista que mais contribuiu para causas sociais do mundo todo!

Ele era único! O maior fenômeno musical do século XX (ao lado dos Beatles) - mais de setecentos milhões de cópias. Mais de 40 organizações mundiais de ajuda a necessitados. Mais de 10 cirurgias plásticas. Mais de tudo!

Michael Jackson foi o primeiro representante da “black music” a ter suas músicas tocadas nas rádios de rock, aparecer na MTV e ser admirado e respeitado por todos, não só pela bela voz, mas também pelo incrível talento para a dança, uma presença de palco sem igual e um carisma teatral invejável. Era um artista completo. Era invejado, alvo de maledicência e sensacionalismo. Um menino que não sabia lidar com a maldade dos adultos, e sucumbiu à maldade das crianças das quais vivia cercado, se recusando a crescer.

Num mundo já tão sem ideologias, restam-nos poucos ídolos. Não importa se pretos ou brancos, ricos ou pobres. Mais um dia se passou e continuamos sozinhos, pois agora, como Elis, ele é uma estrela.
 

*************

 

Publicado por Lílian Maial em 26/06/2009 às 21h26
 
20/06/2009 14h59
O VERDADEIRO SENTIDO DAS COISAS
O VERDADEIRO SENTIDO DAS COISAS
®Lílian Maial
 
 
Como já bem disse Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa – meu poeta favorito:
-“ O único sentido íntimo das coisas
É elas não terem sentido íntimo nenhum.”
 
Pois bem, eu digo que o sentido íntimo das coisas não importa. De que adianta pensar em sentidos íntimos, se o que interessa, hoje em dia, é a casca? De que vale uma alma suave e pura, se é a conta bancária, a patente no trabalho ou a aparência da última moda, cuspindo filosofia barata que, no íntimo, é o que comanda?

Não! Nada de gastar a mente com pensamentos que não levam a lugar nenhum! Viver há de ser sempre o agora e com a intensidade do nunca. Ninguém pode fazer ideia do que teria sido, se fosse diferente, e muito menos o que será, caso haja alguma mudança no que se pretende agora. Por essas e outras é que não creio em promessas definitivas ao longo do tempo. Elas costumam ficar no passado, quando já estamos no futuro.

Quando um filho pequeno olha para sua mãe e diz que nunca a abandonará, que ela sempre será sua eterna companheira, amiga e primeiro lugar no mundo, ele acredita piamente que cumprirá esse desígnio. Contudo, a vida é um eterno movimento engatilhado em outros, que geram novas circunstâncias, agora já sem nosso controle único. Assim, aquela criança crescerá e se tornará um adulto com outros objetivos, e, um dia, poderá vir a abandonar aquela sua mãe endeusada numa instituição, por “não haver outro jeito”.

Quando um casal se olha, no altar, e jura seu amor eterno, sua fidelidade e proteção, ele, naquele instante, tem a certeza de que assim será. No entanto, a rotina, os compromissos, os afazeres e a falta de sincronia nos tempos de cada um, acaba por trazer os desencontros, e outras personagens surgem nos momentos de fragilidade, e aquele amor, que parecia inatingível, sofre o golpe da tentação, da mentira, da falsidade, da traição.

Penso que não se deva perder tanto tempo na busca do sentido íntimo das coisas, do outro lado da moeda, do avesso do avesso do avesso do avesso, negligenciando o cuidado com a realidade. É necessário que se busque manter o que se tem e aceitá-lo como é, vivendo o que tem de melhor e o que realmente nos atraiu. Se o chocolate me agrada e sempre me garantiu o que preciso, por que deveria me preocupar em procurar pelo cacau? Para comprovar que o cacau é amargo e que bom mesmo era o meu velho chocolate? Com isso, perdemos a oportunidade de degustar o chocolate com maior prazer.

O ser humano é chegado a uma tentação, em todos os sentidos, uma inquietação. Não sei se é devido a séculos de frustração e castração, se devido à divisão social com limitações aos prazeres, ou se da natureza humana, por si.

Depois de muito enveredar pelos caminhos da busca interior, do sentido da vida, do “de onde vim e pra onde vou”, percebo que não importa. Nada disso importa. Nunca haverá respostas, porque as perguntas estão erradas. Não há o que descobrir, o que procurar, o que desvendar.  É preciso aprender a aceitar que a vida é uma fração de tempo finito, e que não temos o menor poder sobre ele – Chronos - não importa o quanto a ciência avance. Mais cedo ou mais tarde, Chronos nos devorará.  Só nos resta, enquanto isso não ocorre, entender que o sentido das coisas é sempre aquele a que nos propomos. E isso é o que faz de nós pessoas completas.

Como Sífiso, que, castigado pelos deuses por ter-se rebelado e fugido do inferno, foi condenado a empurrar uma enorme pedra até o cume da montanha, para vê-la rolar pela força da gravidade, e repetir a tarefa pela eternidade, nós também amamos a vida e a consciência e, por mais que a nossa existência nos pareça absurda, não desistimos da árdua tarefa de levá-la ao cume, a cada novo dia. E, no dia em que a vida não "rolar" pela montanha, já estaremos sem sonhos e sem esperança.


*************

Publicado por Lílian Maial em 20/06/2009 às 14h59
 
11/06/2009 16h20
OUTONO
OUTONO
®Lílian Maial
 

 
Aonde foi que o tempo me escapou?
Perdida entre tantos afazeres, metas, apertos e gozos, em que parte do caminho terei deixado de dominá-lo?
Era tudo tão simples, esquemático, prático e certo!
Era tudo tão meticulosamente planejado: crescer com boas lembranças, estudar para uma boa carreira, ser boa filha, respeitar e amar os pais e irmãos, para poder ser boa mãe, no futuro, me formar numa carreira linda, pós-graduar, amar, encontrar o par, casar, procriar, multiplicar o amor, constituir uma família sólida e feliz, um lar, lutar para adquirir um teto e instruir os filhos, e fechar o ciclo da vida, vendo os filhos crescendo, estudando, adquirindo uma carreira promissora, amando, casando, procriando, aumentando a família. Já previa divertidos almoços dominicais, passeios e viagens inesquecíveis, envelhecer com sabedoria e alegria, sempre cuidando e sendo cuidada.
Mas... E aí? Em algum ponto desse caminho os resultados não eram os esperados ou, ao menos, os planejados. Em algum ponto, a luta deixou de ser compartilhada, os sonhos se tornaram distantes, e a família não parecia tão sorridente nos almoços de Domingo.
Em que altura a vida se me escoou por entre os dedos? Teria eu simplificado demais as etapas, ou os patamares não eram tão facilmente acessíveis quanto eu imaginava?
Tantas perguntas hoje me habitam, que nem sei como há espaço para buscar respostas. O olhar para trás não me aponta a rotura. A análise dos fatos não me indica o caminho. O balanço sempre tende ao positivo, talvez com um fiel viciado em felicidade.
Não sei. Tem momentos em que, a mim, me parece que tudo é como sempre foi e deveria ter sido, e que eu é que me recuso a enxergar o calendário. Noutros, tenho a nítida sensação de que fui lesada, de que algo me foi furtado, quem sabe uma oportunidade de ter intervindo em meu próprio destino?
Teoricamente sou feliz. Consegui crescer saudável, me formei, pós-graduei, amei, casei, procriei, amo e sou amada, trabalho, tenho um teto, passeio, viajo. Então por que essa poesia? Por que esse sentimento de ausência de um sentido para tudo isso? Por que a finitude?
Não sei. Só percebo que o vento está me soprando chuva e frescor, e já é junho novamente, como há tantos anos...
 
*************

Publicado por Lílian Maial em 11/06/2009 às 16h20



Página 17 de 37 « 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 » [«anterior] [próxima»]



Site do Escritor criado por Recanto das Letras
 
Tweet